Já falamos várias vezes aqui no blog sobre a importância de se fazer um bom Planejamento Previdenciário antes de efetivamente requerer o benefício para garantir assim uma aposentadoria mais vantajosa.

Contudo, no post de hoje vamos falar do que importa: afinal quais as vantagens financeiras de planejar a minha aposentadoria?

Para demonstrar a importância de fazer o Planejamento Previdenciário, a seguir citamos 3 exemplos nos quais a aposentadoria poderia ter sido muito mais vantajosa caso fosse feito o Planejamento Previdenciário.

Exemplo 1 – O Famoso “Apressadinho”

João tinha 58 anos de idade e 37,9 anos de contribuição no inicio de 2019. Ao saber das medidas do Governo quanto a Reforma da Previdência, João não pensou duas vezes e correu no INSS para dar entrada no seu benefício de aposentadoria por tempo de contribuição.

O que João não sabia, pois não procurou um advogado especialista antes de ir ao INSS, é que estava há apenas 3 meses de fechar a regra dos 86/96 (aposentadoria por pontos) que aumentaria o seu benefício em R$ 1.500,00 por conta da não aplicação do fator previdenciário.

Se João tivesse procurado um advogado antes de ir ao INSS teria um benefício R$ 1.500,00 maior e em apenas 1 ano teria recebido R$ 18.000,00 a mais em sua aposentadoria. Muita coisa não é mesmo?

Exemplo 2 – O MEI e as Desagradáveis Surpresas na Aposentadoria

Cláudia contribuiu 25 anos como empresária contribuinte individual. Nos últimos 5 anos, Cláudia descobriu que poderia pagar menos impostos sendo MEI e passou a pagar a alíquota reduzida de 5% sobre o salário mínimo.

No momento de requerer a aposentadoria no INSS, teve a desagradável informação de que a sua contribuição como MEI não dava direito à aposentadoria por tempo de contribuição.

Neste caso, Cláudia terá que desembolsar a complementação das contribuições como MEI, pagando 15% sobre o mínimo com juros e correção monetária para poder se aposentar por tempo de contribuição, além de perder tempo, quando poderia já estar recebendo o benefício. O que poderia ter sido evitado se Cláudia tivesse procurado um especialista em Direito Previdenciário e analisasse se o MEI de fato valia a pena ou não ao seu caso.

Exemplo 3 – Servidor Público e a Contribuição para o INSS

José é servidor público federal e decide complementar sua aposentadoria futura, pagando INSS na qualidade de segurado facultativo.

Já explicamos aqui no Blog que o servidor público não pode fazer contribuições como segurado facultativo ao INSS, e sim apenas como segurado obrigatório, caso exerça uma atividade remunerada, como por exemplo, o magistério.

Contudo, José não sabia disso e passou os últimos 7 anos pagando contribuição no teto do INSS. Apenas no momento de requerer a aposentadoria pelo Regime Próprio percebeu que não era possível a contagem desse período na sua aposentadoria.

Dessa forma, José estava gastando mensalmente o valor de R$ 1.167,89 em uma contribuição para o INSS que não poderá utilizar na sua aposentadoria.

Com o Planejamento Previdenciário poderia ser identificada a possibilidade de restituição das contribuições dos últimos 5 anos, quantia em torno de R$ 64.488,24. Já as parcelas mais antigas prescreveram e não poderão ser restituídas.

Por isso, montamos o Guia Prático: Planejamento Previdenciário – Descubra como obter um benefício mais vantajoso! O Guia pode ser baixado gratuitamente, clicando na imagem abaixo, para lhe auxiliar na conquista da tão sonhada aposentadoria. Baixe Agora!

Conclusão

Como vimos nos exemplos anteriores, a aposentadoria e as estratégias para ter um benefício vantajoso e não perder dinheiro demanda um bom planejamento previdenciário.

Como o Direito Previdenciário é complexo e tem várias regrinhas, sem a ajuda de um especialista para lhe assessorar e indicar os melhores caminhos a chance de gastar tempo e dinheiro e não ter um retorno na aposentadoria é grande!

Afinal de contas, a aposentadoria é ato irrenunciável e irrevogável, e muitas vezes os erros cometidos não podem ser consertados, causando um imenso prejuízo ao trabalhador.

Dessa forma, percebemos que o pequeno investimento no planejamento previdenciário se paga, pois muitas vezes os erros custam muito mais caro que planejar a aposentadoria.

Outra dica valiosa é não esperar até as vésperas da aposentadoria para buscar um especialista, quanto mais cedo começar a se planejar e alinhar as estratégias para ter um benefício vantajoso, mais chances de alcançar esse objetivo lá na frente.

Leia mais sobre o Direito Previdenciário

Qual a Importância de Contratar um Advogado Especialista?
Aposentadoria Especial do Médico – Você Pode Estar Perdendo Dinheiro!

Últimas postagens

Quer saber mais sobre o seu direito previdenciário?

Tire suas dúvidas com a gente!

Menu